Da desordem às flores

Leia escutando: To Be Alone With You - Sufjan Stevens

Música no volume certo. Uma xícara de café. E a cabeça nas nuvens. É aí que os pensamentos começam a fluir em minha mente. Como quando olhamos para o céu e observamos tantos passarinhos voando em uma mesma direção. A diferença é que dentro de mim é tudo embaralhado. Cada pássaro para um canto e nenhum em seu lugar. Como se um avião os atingissem e desarrumasse toda a rota. Dentro de mim é como se meus pensares estivessem lutando com um sabre de luz a todo instante – bela metáfora.

Às vezes, chego a falha conclusão de que não há mais jeito. Não há o que fazer com tanta coisa guardada. E em meio a tanta coisa inútil ocupando lugar, a escrita domina e eu passo pro papel aquilo que faz meu coração bater mais forte, minha mente gritar e muitas vezes meus olhos lacrimejarem. 

Ando descobrindo que minhas emoções, minhas reflexões não cabem em mim. Elas acabam escapulindo por algum lugarzinho e quando eu vejo já foi. Já virou canção, já virou textão.

Acho engraçado quando tudo se torna inspiração. Um céu azul transforma-se em um futuro lar, os pássaros em liberdade e as nuvens podem ser algo além do algodão. Quando pensa-se demais é assim, a vida vira uma roda-gigante e em cada canto há uma perspectiva diferente das coisas.

O fato é, existe uma multidão de coisas desordenadas em mim e falar demais sobre isso nunca foi o meu forte. A gente sempre precisa arrumar um jeito de desabafar, de livrar o que fica preso em nós. Sempre precisamos deixar escapar, mesmo que de forma incompleta, o que sentimos e pensamos. Faz bem pra vida, faz bem pra alma.

Há uma teoria – desenvolvida em novembro de 2017 – que diz: quando tiramos de nós o que guardamos lá no secreto a nossa alma sorri, o nosso dia floresce e a vida fica mais bonita e leve. É capaz até de brotar flores, quem sabe girassóis ou petúnias.

Nesse jardim da vida quem semeia é você. Eu posso servir de leitora, ouvinte e até conselheira. Entretanto, já dizia o Pequeno Príncipe, cada um é responsável por aquilo que cativas. Cative o que te encante e com um canto, quem sabe, vire flor. 

Post anteriorO passado é uma estrela que já não brilha
Próximo postVocê quebrou o meu muro de Berlim
Olá, eu sou a Marina ou Nina. Durante a minha vida tive alguns blogs e desde então nunca deixei de me expressar pela escrita. Sou toda uma bagunça, mas descobri um Pai que sabe dar um jeitinho nisso tudo dentro de mim. Apaixonada por música, cinema, fotografia, livros e acima de tudo Deus. Uma relação de amor e curiosidade com os instrumentos musicais, especialista em boas trilhas sonoras e roteiros inesperáveis e que nunca deixará de acreditar que o amor pode mudar tudo. Prazer, espero que gostem!
COMPARTILHAR

Comentários no Facebook