Um conto e um processo

 

Leia este texto escutando: Tchubaruba – Mallu Magalhães

Era época de férias. E ela só queria viver o que era real. Estava sol. E ela só queria aproveitar a luz. O coração estava desconcertado. E ela só queria aproveitar o verão que ainda havia dentro dela.

Poderia haver milhares de motivos para aquele dia não existir. Seria caso de julgamento? Acordar pro dia ou não acordar?  Para ela melhor seria continuar dormindo. No fundo ela sabia que precisava passar pelo processo e matar o que a destruía por dentro, o que tirava suas forças e a vontade de levantar da cama, o que tirava sua vontade de viver. 

Mesmo que para ela era tentador deixar estar e recomeçar o verão, ela sabia que esquecer nunca é a solução. Deixar pra lá, esconder pra si e colocar um curativo não faz cicatrizar. Dessa forma é como roubar num jogo de Nintendo. Você vai passando as fases e quando encontra uma mais difícil deixa pra lá e pula para próxima. Não há sabedoria em avacalhar o processo. Não há vantagem em tentar esconder uma ferida. 

Nas redes sociais, só a parte boa. Era assim que todos em sua volta viviam. Paz, amor, verão, carnaval, mar, praia e sol. Um corpo perfeito, uma família feliz, um namoro sem problemas e o mais importante, uma pessoa completamente apaixonada pela vida, afinal, Deus transformou tudo e agora é só vitória – risos. 

Ela sabia, a vida não é assim. Todos sabemos. E apesar disso muitas vezes afetá-la fortemente, ela tinha certeza: a vida pode ser uma rosa, mas rosas possuem espinhos. Ela só queria ser de verdade. Não aguentava mais viver só de ilusão. De falsas impressões. Não importava ser vulnerável, ela só queria crescer. Aprender com seus erros e continuar o caminho. Uma coisa ela tinha certeza, vez ou outra as pessoas se pegam não estando tão bem assim e é normal. É normal não estar feliz 24 horas por dia. Um segredo de amiga: ninguém é.

Post anteriorSer feliz nem sempre é uma escolha, e tudo bem
Próximo postA vida sempre chega num ponto final
Olá, eu sou a Marina ou Nina. Durante a minha vida tive alguns blogs e desde então nunca deixei de me expressar pela escrita. Sou toda uma bagunça, mas descobri um Pai que sabe dar um jeitinho nisso tudo dentro de mim. Apaixonada por música, cinema, fotografia, livros e acima de tudo Deus. Uma relação de amor e curiosidade com os instrumentos musicais, especialista em boas trilhas sonoras e roteiros inesperáveis e que nunca deixará de acreditar que o amor pode mudar tudo. Prazer, espero que gostem!
Compartilhar

Comentários no Facebook